Terapeuta quântica revela sua trajetória nesse segmento

0
111
Terapeuta quântica Patrícia Beni em sua sala de atendimento.
Pätrícia Beni está há 6 anos no mercado, já é professora, tem clientes no exterior e fez mais conquistas como terapeuta.

Informe Publicitário

A terapeuta quântica Pätrícia Beni já teve outras profissões, mas nunca se sentiu realizada com nenhuma delas porque estava distante de seu propósito de vida.

Seu gosto por questões espirituais vem desde a infância. Suas avós exerceram grande influência no futuro da menina que um dia ajudaria a curar as pessoas.

Pätrícia Beni também ministra cursos, já criou sua própria ferramenta de trabalho, a Mesa de Cura Diamante PB, e ainda continua se aprimorando. “Hoje me sinto completamente realizada”, declara.

Conheça mais detalhes da história dessa terapeuta que atualmente atende a distância clientes até no exterior.

 

Contexto Atual – Antes de ser terapeuta, você já se interessava por temas místicos e ligados à espiritualidade?
Pätrícia Beni – Com certeza. Eu sempre gostei dessa área e também estive envolvida desde menina com questões espirituais. Minha avó materna era benzedeira e a paterna, dava passes. Trata-se de algo que vem da minha ancestralidade. Além disso, o tarot e as demais ferramentas voltadas ao autoconhecimento chamaram a minha atenção desde cedo.

CA – Quando e por que você decidiu seguir profissionalmente por esse caminho?
PB – Isso ocorreu há mais ou menos seis anos. Eu morava em São Paulo e quando me mudei para Taubaté, estava incomodada com algumas áreas da minha vida e não entendia por que certos fatos ocorriam. Eu precisava encontrar as respostas para minhas dúvidas. Foi nesse momento que comecei a procurar as terapias alternativas.

CA – E qual foi o resultado, achou o que procurava?
PB – Claro. As terapias fizeram muito bem porque me ajudaram a abrir a mente e a entender a vida a partir de outro ângulo. Depois de certo momento, as terapeutas começaram a dizer que eu tinha o dom da cura e precisava trabalhar nisso, sempre em conjunto com a espiritualidade.

CA – Mas você ainda estava na sua profissão? Como ocorreu a mudança?
PB – Sou publicitária e também trabalhei bastante no varejo. Além disso, tive loja em shopping e até montei petshop. Apesar de ser bastante dinâmica, eu nunca ficava satisfeita com nenhuma atividade porque sentia que faltava algo. Antes de fazer as terapias, não sabia o que era. Depois, tudo ficou mais claro.

CA – Qual foi a sua primeira terapia e por que a escolheu?
PB – Comecei com a Cura Prânica. Depois, passei a me especializar em várias terapias. Reiki, Florais de Saint Germain,  Mesa Radiônica RP, Constelação Familiar, Thetahealing. O Tarot era usado como ferramenta de autoconhecimento.

CA – Como foi a fase inicial da nova carreira?
PB – Eu recebia os clientes na minha casa. Fazia atendimento de Reiki, alinhamento dos chacras e Apometria. Depois de um tempo, aluguei uma casa e naquela época não tinha clientes fixos. Fiz tudo na base da cara e da coragem. Desse modo, passei a divulgar mais o meu espaço e a nova atividade foi evoluindo. Meu propósito era cuidar das pessoas e orientá-las para que ficassem bem.

CA – Quais foram os principais desafios dessa época e como foram superados?
PB – Foi ter alugado uma casa, sem a garantia de que conseguiria pagar todas as despesas. Foi bastante arriscado, mas deu certo. Comecei a ficar conhecida na cidade e tudo se ajeitou. Desde o início, já passei por três imóveis. Superei essa fase com muito trabalho e divulgação.

CA – Houve alguma terapia com mais procura?
PB – A Mesa Radiônica. Foi ela que me trouxe mais clientes e também com a qual eu mais me identifiquei. Continuei me especializando e me tornei professora. Jamais imaginei que um dia começaria a dar cursos nessa área, porém, hoje eu amo tal atividade. É muito boa e desafiadora a tarefa de ensinar, de transferir conhecimento. Ajudo as pessoas a encontrarem o próprio despertar.

CA – Quais foram os principais fatos nessa trajetória?
PB – Um deles foi a criação da minha própria Mesa. Esse foi um processo longo e envolveu muita reflexão porque no início eu rejeitei a ideia de criar uma mesa própria; é a Mesa de Cura Diamante PB. Outro ponto importante a ser destacado é todo o crescimento espiritual e emocional que conquistei por meio das terapias pelas quais passei e também atendi. Mesmo como profissional, nunca abandonei os tratamentos, ao contrário, continuo ancorada nesse processo de autoconhecimento contínuo.

CA – O que você aprendeu nessa caminhada evolutiva?
PB – Ela teve um significado muito grande na minha vida. Por meio dela, comecei a entender não apenas quais eram, mas principalmente como funcionavam as leis do universo. A partir daí, ou seja, da compreensão mais ampla da realidade como um todo, mudei completamente no aspecto mental, emocional e espiritual. Então, passei a ter outras atitudes e assim a vida passou a deslanchar. É preciso entender a Lei de Ação e Reação, a Lei de Atração, a Lei do Perdão, entre tantas outras. Há muitos fatores que interferem no dia a dia e é necessário dominar as regras do jogo, com a finalidade de viver melhor. Com tudo isso, aprendi a ser confiante e também a valorizar as pequenas coisas.

CA – Como é a sua ligação com a espiritualidade?
PB – Percebi que a intuição e a percepção aumentaram muito nos últimos anos. Consigo enxergar isso porque tenho minha rotina de meditação e também procuro ficar ligada o maior tempo possível com meus mentores. Isso não quer dizer que passe o dia em contemplação. Faço tudo o que é necessário no dia a dia de uma pessoa que administra o aspecto pessoal, familiar e profissional. O que quero dizer com ficar conectada, é que me esforço para manter por longo tempo a vibração elevada e os bons pensamentos.

CA – Qual é o resultado dessa forma de pensar?
PB – Do lado pessoal, me sinto muito mais segura no cotidiano, pois sei que estou amparada pela espiritualidade superior. Isso não quer dizer que não tenha problemas para resolver, mas que possuo mais força e confiança para superá-los. A intuição afiada me ajuda a tomar algumas decisões. Falando do lado profissional, vejo o retorno das pessoas em relação aos benefícios gerados pelas terapias. Elas ficam muito felizes e dizem que a vida volta a andar para frente. Sou muito grata por ajudar as pessoas a saírem de situações bem complicadas. É algo bastante gratificante. Além disso, hoje em dia, com a ajuda da tecnologia, tenho clientes no Brasil inteiro e também na Europa. Os atendimentos e as aulas podem ser oferecidos a distância.

CA – Quais são os planos daqui em diante? O que espera fazer nos próximos anos?
PB – O plano principal é continuar expandindo em todos os sentidos e alcançar mais pessoas com meu trabalho. Da mesma forma que ele significou um despertar para mim, pode ser o mesmo para outras pessoas que tenham o propósito semelhante. E olha só. Tem novidade vindo por aí. Mas por enquanto, ainda não posso revelar nada porque é confidencial. Dá para adiantar que muita gente vai gostar. Aguardem.