Dia Mundial de Combate ao Diabetes orienta os pacientes

0
96
Estetoscópio está ao lado de um punhado de açúcar e chama a atenção ao perigo do diabetes.
O diabetes é uma doença bem perigosa, mesmo assim, qualquer pessoa pode controlá-la e manter a qualidade de vida.

Informe Publicitário

Em 14 de novembro é comemorado o “Dia Mundial de Combate ao Diabetes” e o tema deste ano é: “Diabetes: uma doença invisível”.

A escolha é perfeita porque mostra o quanto essa doença ainda é muito perigosa.

Em primeiro lugar, porque existem no mundo todo 463 milhões de adultos portadores dessa doença. É muita gente. Isso representa 9,3% da população adulta da Terra e o pior é que metade dela não foi diagnosticada.

Os dados são da edição mais recente do Atlas de Diabetes, publicado em 2019 pela Federação Internacional de Diabetes.

E a situação no Brasil não é diferente. Por aqui existem 13,95 milhões de pessoas nessa condição.

Como não existe cura para o diabetes, apenas tratamento, a melhor forma de lidar com ele é por meio da informação.

Antes de mais nada, é preciso saber se você tem diabetes e qual é o tipo. Fugir do diagnóstico só vai trazer mais problemas.

O diálogo com amigos e familiares ajuda bastante porque as pessoas mais próximas podem dar todo o apoio necessário nesse momento tão delicado.

Essa é uma das formas mais básicas de controle e de disseminação de informações sobre a doença.

E aí vem outra parte muito importante: o conhecimento sobre tudo o que envolve diabetes. Ele é perigoso, pode matar, mas existem vários mitos que só atrapalham quem está tentando entender o que é melhor para cuidar da saúde.

Esses mitos vão desde os alimentos que prometem curar a doença, até a automedicação baseada nas informações de pessoas que são próximas e convivem com o diabetes.

Também é importante falar que muitas pessoas, mesmo após o diagnóstico, não se esforçam para manter o controle do nível de glicemia. Tal comportamento é causado, na maioria das vezes, pelo fato de a glicemia elevada não manifestar sintomas perceptíveis.

Aprender o máximo sobre diabetes é o melhor caminho

A educação em diabetes é o primeiro passo para o autocontrole e o autocuidado. O portador de diabetes é o ator principal no tratamento da doença, porém é necessário que ele tenha uma equipe que o auxilie nesse processo.

Isso é feito por meio de um programa que envolve o conhecimento do tipo de diabetes que a pessoa apresenta, as informações sobre como a doença se manifesta, bem como suas complicações. Também há dados a respeito do impacto dos alimentos na glicemia, a reorganização da dieta e até da inclusão de uma rotina de exercícios.

Claro que é algo que dá um pouco de trabalho, mas é a única forma de manter a qualidade de vida. Quem garante é a Alexandra Manfredini, biomédica, educadora em diabetes e idealizadora do projeto Diabetes, eu cuido.

O portador dessa doença pode e deve levar uma vida normal. É verdade que existem certas restrições, mas o dia a dia continua sendo o mesmo, só com algumas adaptações.

Para facilitar a vida dessas pessoas, nós desenvolvemos há vários anos um programa que fornece conhecimento multidisciplinar a respeito desse assunto.

Ele envolve a participação de nutricionistas, psicólogos, médicos, podólogos, biomédicos, enfermeiros, culinaristas, professores de educação física e vários profissionais que têm muito a oferecer.

A educação é a melhor forma de melhorar a vida. Em relação ao diabetes, tal verdade continua sendo válida, pois com muito conhecimento do assunto, qualquer pessoa pode controlar o diabetes.

Apenas a informação certa vai conseguir afastar os medos que tanto rondam os pacientes. Milhares deles já passaram por essa fase e agora estão felizes porque descobriram como controlar a saúde.

O diabetes é uma doença invisível só até ser descoberta. Depois disso, ela oferece perigo apenas a quem se nega a vê-la claramente e a fazer o tratamento com disciplina.

Enfim, descobrir que tem diabetes não significa o fim do mundo. E sim a chance de começar a se cuidar.

Há muita qualidade de vida, amor e alegria após o diagnóstico. Ter tudo isso só depende de você.