A pele do diabético sempre precisa de atenção especial

0
30
Mulher esfrega as mãos e percebe que a pele do diabético é mais ressecada.
O paciente precisa se cuidar diariamente porque a pele do diabético é mais seca, racha com facilidade e fica vulnerável.

Informe Publicitário

Saiba que a pele do diabético é um tema importante para evitar complicações.

Essa sensível parte do corpo exige ainda mais cuidados do paciente.

Ela apresenta sinais, mas nem sempre você percebe que estão lá.

Descubra como cuidar da pele e evitar problemas que podem se tornar graves.

Prevenção é passo mais importante para lidar com a pele

A pele do diabético é diferente da pele de uma pessoa saudável e, por isso, deve receber atenção especial. Em primeiro lugar, ela é mais seca e áspera. Isso ocorre porque o alto nível de glicose no sangue leva à perda de água por meio da urina. Conheça as principais características desse tipo de pele e saiba como cuidar dela para evitar complicações do diabetes.

Você sabia que a pele é o maior órgão que nós temos? Uma de suas principais funções consiste em evitar que microrganismos entrem no corpo e causem doenças ou infecções. Ela serve como uma capa protetora envolvendo nossa estrutura inteira.

Esse papel se torna ainda mais importante no caso do portador de diabetes, pois a pele ressecada tende a rachar facilmente. Pequenas fissuras que surgem se tornam porta de entrada de bactérias capazes de agravar o quadro clínico do paciente.

As partes do corpo que tendem a ficar ressecadas com maior frequência são os pés, as pernas, os joelhos e cotovelos. Elas precisam de constante hidratação para não racharem. Outro problema que a pessoa pode enfrentar, se não se cuidar, é a neuropatia diabética.

Essa complicação diminui a sensibilidade da pele, fazendo que o paciente não sinta nada quando se corta ou se machuca. É justamente aí que mora o perigo. Sem perceber o que aconteceu, a pessoa fica vulnerável à entrada de agentes externos que vão deixá-la ainda mais doente.

Veja quais são os principais problemas que aparecem na pele do portador de diabetes.

Doenças dermatológicas afetam fácil a pele do diabético

Exatamente por causa de suas características especiais, a pele do diabético tende a desenvolver algumas doenças dermatológicas. As principais são as seguintes:

Micose – Bastante comum em pacientes com diabetes, a micose é uma lesão avermelhada que descama e normalmente causa coceira. Ela aparece principalmente nas unhas dos pés, mas também nos dedos e piora rápido quando não recebe tratamento adequado.

Frieira – É uma infecção que surge devido à presença de fungos existentes em ambientes quentes e úmidos. Eles são mais comuns em vestiários e chuveiros, mas também podem surgir na meia ou no sapato. A frieira aparece com maior frequência entre os dedos dos pés, porém também pode estar na sola.

Feridas – São pequenas lesões que aparecem por causa de algum tropeço ou a partir de rachaduras na pele ressecada. Devem ser tratadas o quanto antes, pois têm grande chance de infecção.

Bolhas – Elas aparecem na sola dos pés por causa da fricção dessa área em sapatos apertados, novos e principalmente sem meia. Também podem surgir de queimaduras.

Dermopatia diabética – Esse problema aparece nas pernas, abaixo dos joelhos, com manchas semelhantes à casca de laranja, nas cores marrom ou ferrugem. Essa aparência surge da má circulação sanguínea. Não costuma causar dor, entretanto, visualmente é um quadro clínico crítico.

Pé diabético – Essa é uma das complicações mais conhecidas que o diabetes causa. De forma geral, representa o conjunto dos problemas citados nos outros itens e representa um dos maiores temores do diabético. Sua principal causa é a neuropatia diabética, que consiste no comprometimento dos vasos sanguíneos.

O primeiro passo para evitar essas doenças de pele é manter o controle do índice glicêmico. O segundo, seguir a rotina de ações descritas a seguir.

Prevenção é o maior segredo para manter a pele saudável

O objetivo principal do diabético é manter a quantidade de açúcar no sangue em nível saudável. Essa lição de casa evita vários problemas de saúde, não apenas em relação à pele, mas também ao coração, aos rins e olhos, por exemplo.

A partir daí, você precisa seguir uma rotina de cuidados que reduz bastante a chance de surgirem complicações da doença. Como a pele do diabético tende a ficar ressecada, seu esforço deve no sentido de mantê-la hidratada.

Após tomar banho, enxugue bem pés usando uma toalha de rosto totalmente seca. É nesse momento que você deve fazer uma inspeção diária para ver se há corte, bolha, mancha ou pequeno machucado.

Caso encontre algo desse tipo, converse com uma podóloga especializada em diabetes ou uma dermatologista. Elas podem orientar você sobre o que fazer para resolver rapidamente esses problemas. Aja com rapidez.

Depois da inspeção, passe hidratante neutro nas pernas e nos pés, mas exclua a região entre os dedos. Esse cuidado é essencial para garantir saúde e qualidade de vida; não se trata de frescura, mas sim de bem-estar.

Esses são os principais cuidados que o paciente de diabetes deve tomar, principalmente em relação aos pés e às pernas. No entanto, como a pele cobre o corpo inteiro, é importante também prestar atenção nas outras áreas.

Aplique hidratante em todo o corpo e protetor solar meia hora antes de sair de casa. Como a pele do diabético é sensível, ela demora mais para se recuperar dos males que os raios solares causam.

Resumindo, cuidar da pele não é difícil, só um pouco trabalhoso. Mesmo assim, isso significa menos dor cabeça do que os tratamentos médicos que podem ser necessários se você não se cuidar.